Pages Navigation Menu

AGENDA


« May 2015 »
Su Mo Tu We Th Fr Sa
          1 2
3 4 5* RONDA AOS SEM ABRIGO OEIRAS at 19:30
6 7 8 9
10 11 12* RONDA AOS SEM ABRIGO OEIRAS at 19:30
13 14 15 16
17 18 19* RONDA AOS SEM ABRIGO OEIRAS at 19:30
20 21 22 23
24 25 26* RONDA AOS SEM ABRIGO OEIRAS at 19:30
27 28 29 30
31            

Videos

Artigos Recentes

Carlos Alberto Moniz dia 21 de Abril

Posted by on Abr 8, 2015 in Notícias | 0 comments

CARLOS ALBERTO MONIZ

Carlos Alberto Moniz, artista, apresentador, maestro, músico e compositor português (agraciado com o título de Comendador da Ordem de Mérito), estará presente na Associação Sem Fins Lucrativos Luchapa, no dia 21 de Abril pelas 21h, numa sessão musical precisamente sobre “as canções que romperam a censura”, comemorando mais um 25 de Abril que se avizinha.

Quem não se lembrará do “Fungagá da bicharada”, “Zarabadim” ou “O rato dos livros”?

São também da sua responsabilidade as Bandas Sonoras de várias produções para cinema e televisão de onde se destacam de entre outros “Duarte e Companhia”, “O Beijo de Judas”, “Crime de Luxo”, “Mau Tempo no Canal” e “O Bando dos Quatro”, sendo também autor de jingles publicitários e ainda dos arranjos para quase toda a sua produção discográfica e televisiva.

Esta sessão surge no âmbito da repto lançado pela Associação Luchapa à colaboração  com todas as forças vivas do município de Oeiras, tendo sido desta vez o Partido Socialista a manifestar a sua vontade em realizar uma actividade de pendor marcadamente cultural no nosso espaço e com uma figura indiscutivelmente marcante da vida artística portuguesa.

São pois todos bem-vindos, nesta sessão musical.

É tempo de cada vez mais se esbaterem diferenças de partido, género, classe, etnia ou expressão religiosa. Celebremos o ser humano, independentemente das suas opções.

Na Luchapa pelo menos, pensamos assim. E fazemos a diferença.

Ler Mais

Luchapa é Notícia

Posted by on Abr 8, 2015 in Notícias | 0 comments

Luchapa é notícia

Desde a sua fundação que a Associação Sem Fins Lucrativos Luchapa, entendeu que tinha também um papel de intervenção social junto da população desfavorecida do concelho de Oeiras e mesmo além fronteiras.

Assim sendo, de imediato se procedeu à recolha de bens alimentares de validade extensível, mas também de roupas, a fim de serem distribuídos pela população em situação de fragilidade. Também levamos uma palavra amiga, um abraço.

Tornou-se usual o bilhete de entrada nas nossas actividades ser um pacote de arroz, de massa, uma lata de atum.

Esse movimento tomou tamanhas proporções que passou a ser efectuada uma ronda semanal à população em abrigo do município de Oeiras e a serem realizadas outras intervençoes na área da saúde.

Dessa forma, estimulando parcerias, conseguiram-se consultas oftalmológicas e de saúde oral, que resultaram em pares de óculos a quem precisa e mesmo numa dentição completa para quem não sabia o que era mastigar há mais de 30 anos.

Um destes domingos, o Professor Marcelo Rebelo de Sousa – a propósito de uma reportagem sobre dois sem abrigo que residem por baixo de uma ponte na Cruz-Quebrada/Dafundo – referenciou-nos, uma vez que os auxiliamos há cerca de dois anos.

Também a Senhora Vereadora da Câmara Municipal de Oeiras, Dra. Marlene Rodrigues, teve a amabilidade de nos escrever, contando com a nossa colaboração precisamente nessa área social, à qual nos dedicamos também, fazem três anos.

Na realidade, encaramos o nosso contributo como “tímido”. Não temos estrutura técnica, não temos verbas do estado, não temos acesso a dados que espelhem a situação real. Somos apenas um punhado de gente boa. Voluntária.

Movemo-nos pela vontade em auxiliar quem mais precisa, sem efectuar juizos de valor. Vemos fome? Agimos. Vemos sede? Agimos. Vemos necessidade de cuidados básicos de sáude? Agimos.

Estamos cientes de que não podemos mudar o mundo. Mas fazemos a nossa parte. Assim todas as pessoas, instituições, técnicos e poder político, façam o mesmo.

Oeiras está francamente melhor que Lisboa. Recordamos a erradicação das barracas e o exemplo que somos a esse nível. Somos oeirenses com orgulho!

Temos a certeza de que todos os agentes tentam fazer o seu melhor com os meios e sabedoria disponíveis. É precisamente isso que também fazemos.

Com o que temos, fazemos o possível e sentimo-nos muito bem com isso. Em paz com as nossas consciências. Melhor que receber? Só mesmo: DAR!

Ler Mais